Aluguel de armas em Boa Vista não é novidade

0
83

A confissão de Felipe Gregori, 21 anos, ao delegado do 1º D.P., Renê Almeida de que emprestava (alugava) a arma para algumas pessoas praticar roubos e recebia o pagamento em jóias ou outros objetos e os revendia para comprar drogas, não é nenhuma novidade em Boa Vista.

O assaltante foi autuado em flagrante após ter sido preso por uma equipe da Polícia Militar por roubo com emprego de arma ocorrido na noite da última quarta-feira, num posto de combustível no bairro São Vicente. Ele terminou confessando outros crimes.

Os bandidos que não estão tendo mais condições de agirem livremente no Amazonas, pelo cerco que a polícia do Amazonas temfeito contra os mesmos, estão cruzando a fronteira e praticando inúmeros crimes em Roraima. Posteriormente eles deixam o Estado sem que haja uma fiscalização nas entradas que dão acesso a Roraima.

A confissão de Felipe Gregori que emprestava arma, no meu entender é uma espécie de aluguel, para que pessoas cometam crimes e pelo ‘serviço’ recebia joias e objetos, e os bandidos que vem do Amazonas podem ter contato com o apoio logístico do acusado de assaltar posto de combustível na Capital.

Quando aconteceu o assalto a agência do Banco do Brasil ao lado do Fórum Sobral Pinto, onde uma quadrilha sequestrou e manteve como refém familiares de dois funcionários do BB, após as investigações a Polícia Civil descobriu que pessoas de Boa Vista tinham alugado armas para que os integrantes da quadrilha utilizassem no crime.

Como tem acontecido ultimamente naquela época alguns dos bandidos  fugiram de Boa Vista pela rodovia que dá acesso a Pacaraima. No posto de fiscalização não havia sequer um policial civil ou militar e sim apenas um cachorro. De posse com vários malotes que haviam roubado do cofre do BB  parte da quadrilha fugiram de Roraima numa aeronave enquanto o resto do bando saiu do Estado num voo do Aeroporto Internacional de Boa Vista.

O aluguel de armas em Boa Vista vai continuar acontecendo porque não existe uma operação das autoridades policiais visando combater e inibir este tipo de prática delituosa na Capital. Outros bandidos que chegaram a ser presos em Roraima confessaram a Polícia que alugavam armas para que assaltantes de Boa Vista e de outros Estados da Federação cometessem seus crimes.

Roraima tem três saídas. A estrada que dá acesso a Pacaraima na fronteira com Santa Elena do Uiarén na Venezuela, a rodovia com destino a Bonfim na fronteira de Lethen na Guiana Inglesa e a que dá acesso ao Estado do Amazonas.

No meu entender fica fácil demais para que as autoridades policiais inibam e coíbam que bandidos daqui e de outros Estados da Federação, cometam crimes como assaltos, sequestros relâmpagos, latrocínios (roubo seguido de morte), assassinatos e outros delitos e deixem o Estado na maior tranquilidade.

O roubo de moto (assaltos) vai continuar sendo praticado a qualquer hora em Boa Vista, em virtude de não existir uma fiscalização rigorosa no posto instalado na Ponte dos Macuxis. Comumente os bandidos rendem as vítimas e em seguida deixam Boa Vista livre, leve e solto para trocar ou vender a moto por droga (maconha) em Lethen na Guiana. Pessoas que tiveram suas motos tomadas em assaltos em Boa Vista, tem conhecimento de que os veículos estão em poder de pessoas que moram em Lethen, mais nada podem fazer.

É comum também bandidos que entram em Roraima transportando drogas que adquiriram na Venezuela. Caso houve uma fiscalização mais rígida na fronteira do país vizinho, a entrada de drogas no Estado não aconteceria com frequência.

Um conhecido estelionatário do Amazonas esteve em Roraima tempos atrás. Aqui emitiu dezenas de cheques sem fundos e adquiriu móveis e eletro domésticos. O bandido chegou a fretar um caminhão baú e mandou parte das mercadorias para Manaus, e outros objetos como equipamentos de som, televisores, geladeiras este despachou num voo com destino ao Amazonas.

Entretanto, quando estava prestes a embarcar com os produtos comprados em Boa Vista com os cheques sem fundos, o bandido foi reconhecido por uma de suas vítimas que o denunciou a Polícia e este terminou sendo preso.

Acredito que se a Secretaria de Segurança Pública implantar em Roraima barreiras permanentes com a presença de policiais civis e militares, nas três entradas de Roraima com o objetivo de abordar as pessoas que deixam o Estado, a exemplo do que acontece na Paraíba com a Operação Manzuá podem ter certeza que o número de crimes cometidos aqui por bandidos do Amazonas terá uma redução drástica.

Wilson Barbosa – Jornalista

www.wilsonbarbosatreze@gmail.com

Blog do autor: http://paraibaemroraima.spaces.live.com

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA