INFECÇÕES HOSPITALARES – Roraima passa a ter Programa Estadual de Prevenção e Controle

0
115

Programa estabelece ações estratégicas a serem alcançadas pelas unidades de saúde em todo o Estado, sejam elas públicas ou particulares

Por meio do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar é possível acompanhar as taxas em cada unidade de saúde / Foto: Ascom/Sesau /

Um projeto que visa estabelecer metas e ações estratégicas a serem alcançadas pelas unidades de saúde, sejam elas públicas ou particulares, em todo o Estado, é o Programa Estadual de Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde.

Uma das primeiras ações, será realizar um levantamento em todas as unidades para saber quais delas já possuem o SCIH (Serviço de Controle de Infecção Hospitalar) e auxiliar na implementação do serviço naquelas que por algum motivo ainda não tiverem.

“Através do SCIH podemos acompanhar as taxas de infecção hospitalar em cada unidade, usar essas informações para saber como está o índice geral estadual e trabalhar para reduzi-lo”, disse a gerente do Núcleo de Infecção Hospitalar e Segurança do Paciente da Sesau (Secretaria Estadual de Saúde), Kathiane Alencar.

A redução do índice de infecção hospitalar pode gerar um tempo menor de internação do paciente no hospital e com isso aumentar a rotatividade dos leitos, diminuindo também o número de pacientes nos corredores dos hospitais.

Algumas unidades já executam serviços de controle através das próprias CCIHs, a exemplo do HGR (Hospital Geral de Roraima) e do HMI (Hospital Materno Infantil), mas com o projeto será possível fazer um mapeamento em todo o Estado, além do que já é feito individualmente.

PLANO DE PREVENÇÃO

O plano é composto de quatro objetivos específicos, em que cada um possui um grupo de metas a serem alcançadas no período de 2019 a 2021: consolidar o Sistema Estadual de Vigilância Epidemiológica das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde; reduzir a incidência das infecções prioritárias; prevenir e controlar a disseminação da resistência microbiana em serviços de saúde e implantar e implementar as ações das CCIHs (Comissões de Controle de Infecções Hospitalares) nos hospitais prioritários – que possuem leitos de UTI – e interior.

DA REDAÇÃO

Comentários