Grupo de Lima recomenda restrições às negociações com regime de Maduro

0
112

O texto, divulgado pelo Grupo de Lima, destaca a necessidade de realização de eleições imediatas na Venezuela / Foto: Adriana Loureiro –
REUTERS /

Representantes do Grupo de Lima (Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai e Peru), reunidos nesta segunda-feira (4), em Ottawa, no Canadá, divulgaram comunicado em que propõem a restrição de negócios e comércio com o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e a comunidade internacional.

A declaração, no seu último parágrafo, faz o apelo. “[Os países] fazem um chamado aos membros da comunidade internacional para evitar que o regime Maduro realize transações financeiras e comerciais com o estrangeiro, que tenha acesso aos ativos internacionais da Venezuela e que possa fazer negócios tanto em petróleo quanto em ouro e outros ativos.”

Novo integrante

A Venezuela sob comando de Guaidó passará a integrar o Grupo de Lima. O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, usou sua conta pessoal no Twitter para comemorar a decisão.
 
“Grupo de Lima emite declaração apoiando o processo de transição democrática na Venezuela e contra ‘diálogos’ protelatórios. A Venezuela, com o Governo interino legítimo de Guaidó, passa a integrar o Grupo de Lima. Poderoso impulso rumo à redemocratização.” 

Declaração

O texto, divulgado pelo Grupo de Lima, destaca a necessidade de realização de eleições imediatas na Venezuela, apoio à interinidade de Juan Guaidó e críticas às violações de direitos humanos e violência. 

“[Os integrantes do Grupo de Lima] rejeitam os atos de violência e repressão de manifestações populares pelas forças de segurança que causaram inúmeras mortes, ferimentos e detenções.”

Ajuda humanitária

A declaração reitera ainda a preocupação com a crise humanitária que atinge a Venezuela e a necessidade de parceria entre as nações para minimizar os impactos causados. O Grupo de Lima se dispõe a prestar ajuda com doações à população venezuelana e ressalta a disposição de os integrantes do grupo de receberem o presidente interino conforme seu pedido.

“[Os países] reiteram sua profunda preocupação com a grave situação humanitária na Venezuela causada pelo regime de Maduro. Eles consideram imperativo garantir o acesso à ajuda humanitária para atender às necessidades urgentes dos venezuelanos.”

De acordo com o documento, o Grupo de Lima se dispõe a negociar com diálogo e de forma pacífica por meio do caminho político e diplomático. O comunicado conclama as Forças Armadas para que cooperem com a população ao permitir as doações internacionais.

Democracia

O texto repudia a atuação da Suprema Corte da Venezuela, o Tribunal Superior de Justiça, ligado ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que recentemente proibiu Guaidó de deixar o país e bloqueou seus bens. Também recomenda a busca da democracia por meios pacíficos.

“[Os membros do Grupo de Lima] fazem um chamado para o restabelecimento imediato da democracia na Venezuela pela realização de eleições livres e justas chamados pelas autoridades legítimas, de acordo com normas internacionais e o mais rapidamente possível. Estas eleições devem ser realizadas com garantias suficientes, com a participação de todos os líderes políticos e observadores internacionais, bem como a nomeação de um novo Conselho Nacional Eleitoral.”

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

Comentários