Grupo de terapia para mulheres retoma atividades em Roraima

0
56

Objetivo é oferecer acompanhamento terapêutico às mulheres em situação de violência doméstica, com medidas protetivas deferidas pelos Juizados de Violência Doméstica de Boa Vista

Esta é a 4° etapa do projeto e os encontros estão programados para todas as sextas-feiras, das 16h às 17 horas / Foto: Nucri/UFRR /

Nesta sexta-feira, dia 15, a partir das 16 horas, no Fórum Criminal Ministro Evandro Lins e Silva, no bairro Caranã, serão retomadas as atividades do Grupo Terapêutico Ponto de Equilíbrio “Elas”, uma iniciativa do TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima), por meio da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, em parceria com a Faculdade Cathedral de Roraima. Esta é a 4° etapa do projeto e os encontros estão programados para todas as sextas-feiras, das 16h às 17 horas.

O objetivo é oferecer acompanhamento terapêutico às mulheres em situação de violência doméstica, com medidas protetivas deferidas pelos Juizados de Violência Doméstica de Boa Vista.

A psicóloga e coordenadora do Grupo Terapêutico, Cássia Nathalia Dias, destacou a relevância da terapia para mulheres em situação de violência doméstica e vulnerabilidade.

“A Terapia de Grupo auxilia na superação de dificuldades pessoais por meio do contato e compartilhamento desses problemas com o outro. Por meio das trocas é possível se sentir mais forte e ter uma percepção diferente da problemática vivenciada. Para a mulher que é vítima de violência doméstica é possível observar ao longo do processo, o resgate de sua autoestima, reconhecimento de suas qualidades, assertividade, e resiliência”, explicou.

Na última terça-feira, dia 12, Coordenadoria Estadual de Violência Doméstica do TJRR realizou capacitação sobre a temática para as estagiárias do curso de psicologia que atuarão no projeto.

“O estágio oportuniza a vivência da prática profissional antecipada, permitindo a construção de conhecimentos técnicos, culturais, científicos, éticos e humanos. É um período de absorção, elaboração e aprofundamento do conhecimento em ambiente real de trabalho, com a finalidade de vislumbrar possibilidades de contribuição frente aos desafios”, observou Cássia.

INICIATIVA

O projeto, que começou no 2° semestre de 2017, já realizou 27 encontros, com uma média de seis a oito participantes. A equipe que conduz as atividades do grupo é composta pela psicóloga e coordenadora do grupo, e estagiarias do curso de Psicologia da Cathedral.

Este é mais um serviço ofertado pela Coordenadoria Estadual de Violência Doméstica, preconizado pela Lei Maria da Penha, que atua também com projetos no campo preventivo e punitivo por meio de parcerias, com destaque para o projeto “Maria Vai à Escola”, que promove ações de prevenção com crianças, e o programa “Patrulha Maria da Penha”, que acompanha e fiscaliza Medidas Protetivas de Urgência.

DA REDAÇÃO

Comentários