Comissão de Direitos Humanos da ALE-RR promove ação de prevenção ao suicídio em Caracaraí

0
177
Números crescentes de tentativas de suicídio preocupam autoridades e moradores do município / Foto: Eduardo Andrade /

Localizado a 145 quilômetros da capital, o município de Caracaraí apresenta alto índice de tentativas de suicídio. Para sensibilizar os moradores, a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), em parceria com a prefeitura do município, promoveu uma palestra com uma mensagem de valorização da vida na noite desta quinta-feira (2).

A palestra foi um desdobramento da audiência pública realizada na Casa Legislativa no último dia 11 de abril. A intenção foi ouvir pessoas que lidam com o problema, descobrir as possíveis causas e sugerir alternativas de combate ao suicídio.

A professora Eliene da Frota participou do evento e destacou a necessidade de informação aos moradores. Ela explicou que os números assustam.

“Eu trabalho numa escola onde o número de alunos que tentam suicídio é constante. Sou mãe de uma adolescente depressiva que tentou suicídio por nove vezes, então, nós precisamos dessa ajuda”.

Segundo Eliene, muitas famílias não entendem o que é depressão e acabam tratando as vitimas com indiferença. “Eu tive que passar por isso, para entender que depressão não é frescura ou preguiça”, disse.

Aos 16 anos, a estudante Jaqueline Azevedo convive com pessoas que já tentaram o suicídio assim como ela. Para a jovem, toda forma de informação é importante para evitar mais casos.

“A cidade é pequena e não deveria ter essa proporção de suicídios, a falta de valorização e de compreensão dos jovens contribui para o aumento desses casos”.

De acordo com a prefeita de Caracaraí, Socorro Guerra, o município apresenta um alto índice de mortes e tentativas de suicídio. Só este ano, foram registrados uma morte e 50 tentativas.

“Desenvolvemos um trabalho de conscientização nas casas, mas as tentativas acontecem a todo instante”.

Apoio familiar é importante na prevenção, afirma psicólogo

O psicólogo Wagner Costa ministrou a palestra “A arte de conviver”, na qual informações como o apoio da família foram tratadas de forma dinâmica.

“Trabalhar a questão da convivência familiar é primordial, porque acreditamos que é um dos grandes problemas relacionados às tentativas de suicídio. A família é extremamente importante no processo”, enfatizou.

Carinho e convivência fraterna são necessários para enfrentar momentos difíceis como a depressão.

“Muitas vezes, nós estamos muito perdidos em ganhar dinheiro e sucesso material e profissional, esquecemos que, acima de tudo, o objetivo da vida é viver bem”, frisou Wagner.

Políticas públicas

À frente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Minorias e Legislação Participativa, a deputada Catarina Guerra (SD) enfatizou que políticas públicas estão sendo desenvolvidas para atender os moradores de todos os municípios.

“A gente tem a elaboração de uma cartilha para ser divulgada nas escolas, como maneira de prevenção e de identificação de um possível processo de depressão”.

A deputada avaliou de forma positiva a palestra e comentou a importância de expandir a informação ao Estado.

“As parcerias são importantes para ajudar na prevenção. A Assembleia Legislativa está junto com a prefeitura e esse apoio irá resultar em muitos pontos positivos”, concluiu.

DA REDAÇÃO

Comentários