Deputado Edio Lopes firma compromisso em levar energia elétrica para vicinais do Cantá

0
72
Somadas, as obras totalizam R$ 1,5 milhão e irão atender cerca de 70 famílias com energia elétrica rural / Foto: Divulgação /

Ainda cumprindo agenda em Boa Vista, nesta segunda-feira, dia 13, o deputado federal Edio Lopes (PR/RR) recebeu em seu escritório o prefeito do Cantá, Carlos Barbudo.

O administrador estava acompanhado da presidente do Partido da República no município, Silvia Lobo de Matos, e dos secretários municipais Suely Santos (Saúde) e Narivaldo Assunção (Infraestrutura).

O deputado Edio destaca que em atendimento a um pedido da senhora Silvia, serão desenvolvidos projetos de eletrificação rural para as vicinais 1 e 14, ambas localizadas na região da Vila Félix Pinto.

“Firmamos o compromisso de envidar esforços no sentido de viabilizar esta ação, que é objeto de um pleito encaminhado pela Silvia, nossa presidente do PR no município do Cantá”, ressalta o parlamentar.

As obras, somadas, totalizam um custo estimado de R$ 1,5 milhão e irão atender cerca de 70 famílias com energia elétrica rural.

PEC protege trabalhadores rurais

Edio Lopes: “A PEC modifica a Previdência Social para trabalhadores rurais, pescadores, entre outros” / Foto: Divulgação /

Confirmando o que havia anunciando em relação à Reforma da Previdência, o deputado federal Edio Lopes (PR/RR) assinou hoje, dia 14, em Brasília, uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que modifica a Previdência Social para trabalhadores rurais, pescadores, entre outros.

De autoria do deputado federal Cleber Verde (PRB/MA), dentre as justificativas da PEC, destaca-se a proteção à aposentadoria da mulher que trabalha no campo, alterando a idade mínima fixada na atual proposta do Governo Federal, de 60 para 55 anos de idade.

“A mulher do campo, além do trabalho pesado realizado em atividades rurais, também exerce trabalho doméstico, aumentando ainda mais o seu desgaste, trazendo prejuízos à sua saúde. Por isto, assinei esta PEC reafirmando que não votaremos em qualquer regra que venha a prejudicar o trabalhador rural. Eles não podem ser chamados a pagar uma conta quando muitas categorias não estão perdendo privilégio algum”, ressalta Edio Lopes.

DA REDAÇÃO

Comentários