FIM DAS FILAS – HGR retoma cirurgias e realiza mais de 500 procedimentos em 30 dias

0
104
Maior parte das cirurgias é ortopédica, mas também foram realizados procedimentos de outras especialidades / Foto: Secom-RR /

Em pouco mais 30 dias, o HGR (Hospital Geral de Roraima) realizou 569 cirurgias (270 eletivas) e (299 emergenciais). Os números são resultado do desdobramento da nova gestão da Sesau (Secretaria de Saúde) para abastecer o Hospital com insumos e medicamentos, para normalizar o tempo de espera.

Para a fila de espera por cirurgias eletivas voltar ao normal, o Governo de Roraima montou três equipes para realização dos procedimentos, nos períodos da manhã, tarde e noite. De acordo com dados da Sesau, são realizadas cerca de 22 cirurgias por dia.

Os pacientes que estão internados são classificados como prioridade e depois de receberem alta, abrem vagas para os que estão aguardando em casa. Estes pacientes, por sua vez, precisam refazer os exames pré-operatórios.

A secretária de Saúde, Cecília Lorezom, explicou que está trabalhando para acabar com a fila de espera e manter o abastecimento de insumos e medicamentos para manter as cirurgias.

“No período que estou à frente da gestão da Saúde do Estado de Roraima [pouco mais de 30 dias] nós realizamos 569 cirurgias até o momento, contemplando 270 cirurgias eletivas e 299 cirurgias emergenciais de diversas naturezas. Promovemos o parcial abastecimento para a retomada dessas cirurgias de modo a atender a população”, ressaltou.

A maior parte das cirurgias é ortopédica, mas também foram realizadas as de pequeno, médio e grande porte, em bucomaxilofacial, oftalmologia, cirurgia geral, vascular, cabeça e pescoço.

De acordo com a gerente de enfermagem do Centro Cirúrgico do HGR (Hospital Geral de Roraima), Joelma Andrade Rebouças, o grande número de cirurgias ortopédicas ocorre devido a acidentes, principalmente de trânsito.

“A maioria das cirurgias é proveniente de ortopedia. É preciso liberar leitos para internar pacientes de outras especialidades para poder dar continuidade na fila única”, explicou.

ROSI MARTINS – SECOM/RR

Comentários