POLÍCIA CORRUPTA – Policiais acusados de extorsão investigavam envolvimento de delegado em assalto milionário em RR

16
56
Imagem: corrupcaodapolicia.blogspot.com

A corrupção tomou de conta das instituições públicas do Estado de Roraima, antes tidas como confiáveis e defensoras da ordem, da legalidade e da Justiça. Além dos casos já batidos denunciados contra políticos detentores de cargos eletivos no Executivo e Legislativo, assim como do Judiciário que também é alvo de investigações sobre supostos casos de desvio de conduta, agora surge a figura do policial – civil e militar – corrupto.

O assunto foi objeto de ampla matéria da Folha de Boa Vista, edição da última quinta-feira (31/01), segundo a qual o ano de 2012 registrou significativo aumento no número de denúncias graves nas corregedorias das polícias Civil (PCRR) e Militar (PM) de Roraima, em comparação com 2011.

“No ano retrasado foram suspensos apenas dois policiais civis. No ano seguinte, a polícia suspendeu seis. Em 2011, foram seis exonerados, contra quatro no ano passado. Cidadãos registraram, em 2011, o total de 90 boletins contra policiais civis. No ano seguinte foram 92. A Corregedoria abriu nove inquéritos em 2011 e nove também em 2012”, informa a Folha (leia a matéria completa clicando AQUI).

O FatoReal vem denunciando, desde as eleições de 2010, o uso da força policial estadual em favor da corrupção, principalmente eleitoral. Policiais civis – inclusive delegados – e militares de alto coturno participaram ativamente do maior esquema de compra de votos que o Brasil já teve conhecimento, com vistas à reeleição do governador Anchieta Júnior (PSDB) em 2010.

Em outro caso recente, diz a Folha, cinco policiais civis que estavam sob investigação da Corregedoria, acusados dos crimes de extorsão mediante tortura e cárcere privado, tiveram suas prisões preventivas decretadas este mês pelo juiz da 2ª Vara Criminal, a pedido do Ministério Público de Roraima (MPRR).

Mente criminosa

Mas o caso desses cinco policiais pode render. De acordo com informações obtidas com exclusividade pelo FatoReal, quatro desses cinco policiais ‘encrencados’ estariam investigando – já prestes a concluir o trabalho – o envolvimento de um delegado de Polícia Civil no caso do assalto à residência da então candidata a vereadora, Nira Mota (PV), ocorrido na véspera da eleição do ano passado.

Três dias após o assalto – verdadeiro valor nunca foi revelado por razões óbvias, mas calcula-se que os assaltantes teriam levado mais de R$ 1 milhão -, a Polícia prendeu três suspeitos. Entre os presos, havia dois primos – um deles menor de idade e também primo de um policial civil. “Pelo menos três ou quatro outras pessoas, inclusive de Manaus (AM), estão sendo procurados”, disse a Folha.

De acordo com a fonte do FatoReal, a mente criminosa seria o delegado. Ele teria planejado toda a ação, após receber a informação privilegiada de onde haveria quantidades vultosas de dinheiro destinado à compra de votos em favor da então candidata à Prefeitura de Boa Vista, Teresa Surita (PSDB). Na condição de aliada do governador Anchieta Júnior (PSDB), a candidata teria recebido a proteção total dos mesmos delegados da PCRR e oficiais da Polícia Militar (PMRR) corruptos, que fizeram a diferença em sua reeleição em 2010.

Esses delegados da PCRR e oficiais da PMRR teriam sido designados pelo próprio governador para ‘dar proteção’ a esses locais na véspera e no dia da eleição, mas o dito delegado foi mais ‘esperto’, planejando ‘passar a perna’ no chefe, armando um assalto a uma das residências menos seguras. A escolhida todos já sabem.

Usuário e traficante

Um traficante preso recentemente revelou o que talvez muita gente já saiba, mas não tem coragem de denunciar. Sem saber que estava sendo gravado – o áudio foi obtido com exclusividade pelo FatoReal e, no momento certo será publicado -, ele disse que um delegado o extorquiu em R$ 30 mil para deixar a esposa dele livre, após ter sido flagranteado por tráfico de drogas.

Por que acreditar em um traficante? Afinal, nunca se sabe se ele está, ou não falando a verdade. Pelo sim, pelo não, é muito pedir que a Corregedoria da PCRR ou o Ministério Público investigue o caso?

O traficante disse que ofereceu R$ 50 mil para ser liberado do flagrante, juntamente com a mulher. “Você não tem jeito, mas a tua mulher eu posso dar um jeito, por R$ 30 mil”, teria dito o delegado corrupto.

O traficante disse mais: o delegado também seria não apenas consumidor, mas um dos principais traficante de drogas do Estado. “Ele não apenas consume, mas também trafica as drogas apreendidas por ele e depois fica dando uma de certinho, de homem da lei”, acusou o traficante.

Cobradora de luxo

Outro caso de ‘desvio de função’ e abuso de autoridade foi protagonizada por uma delegada da PCRR e está registrado no Boletim de Ocorrência (BO) nº 3732/2012, no Plantão Central I, com data de 18 de maio de 2012. De acordo com o BO, o vendedor E.F.P, 23 anos foi coagido, ameaçado e extorquido, mediante a participação direta de uma delegada e mais dois agentes – todos da PCRR – devido a uma dívida oriunda de acidente de trânsito.

De acordo com o vendedor, após ter se envolvido em um acidente de trânsito, recebeu em seu local de trabalho a visita da delegada, acompanhada de dois agentes – que fizeram questão de mostrar que estavam armados -, além do cidadão a quem devia. A delegada teria questionado o motivo de ele não ter pagado o valor devido ao outro envolvido no acidente, conforme haviam combinado na ocasião.

“Por que você não pagou? Meu amigo vem aqui todos os dias e está se sentindo enganado porquê você não pagou o que deve para ele”, teria dito a delegada, em tom ameaçador.

Mesmo diante da explicação do vendedor, de que ainda não teria quitado a dívida porque estava passando por dificuldades, mas que daria ‘um jeito’ para resolver a situação, a delegada continuou em tom ameaçador, afirmando que levaria o carro dele caso não honrasse com o compromisso.

“Senhor Renê, se ele não entrar em nenhuma negociação com você, você pode me procurar na delegacia que eu tomo as providências”, teria dito a delegada, fazendo questão de manter o tom ameaçador, deixando claro que se o vendedor não pagasse a dívida do ‘amigo’ Renê, a situação não acabaria bem para ele.

Imediatamente após a saída da delegada cobradora de luxo e dos dois agentes que a companhavam, Renê retornou à loja, exigindo que o vendedor assinasse cinco notas promissórias com o suposto valor devido.

Se sentindo ameaçado pela cena que acabara de presenciar, o vendedor assinou as notas promissórias. “Não quero problemas, mas se você não assinar essas notas promissórias, vou tomar as providências cabíveis”, teria dito Renê. Todo o episódio – com imagens e áudios nítidos – foi gravado pelo sistema de segurança da loja.

Por enquanto, o FatoReal não divulgará o nome dos delegados envolvidos nos casos aqui relatados – o que poderá ser feito no momento oportuno, caso seja necessário -, não por medo, mas pelo simples fato de que a intenção é alertar a esses maus policiais que estão no caminho errado e ainda há tempo de voltar atrás, retornar aos trilhos, conforme o juramento que fizeram ao assumirem suas funções de defensores da honra, da justiça e da legalidade.

Se a corrupção já tomou de conta dos nossos representantes políticos, do Legislativo, da Justiça e agora ameaça até as forças de segurança, em quem podemos confiar?

WIRISMAR RAMOS – da Redação (e-mail: wirismar@gmail.com)

Comentários

16 COMENTÁRIOS

  1. Concordo com o xavier faca na caveira. Os fatos acima narrados são públicos e notórios dentro da instituição PCRR e a corregedoria dos delegados (já que só quem se lasca são agentes), fica inerte. Inclusive, os fatos acima relatados são de conhecimento dos promotores há muito tempo. Agora, como derrubar delegados que são cumpadres de promotores e que tomam geladas com Juízes aos fins de semana, em casa de autoridades do 1º escalão? difícil não é meu amigo Jornalista? Considerando ainda que a corregedoria da PCRR é formada só por delegados. Só não entendi porque até agora vc não veiculou o homicídio culposo ocorrido no fim da tarde de ontem, onde um delegado “amigo seu” (???), visivelmente embriagado, em alta velocidade e falando ao telefone celular,se envolveu em acidente de trânsito com vítima faltal e deixou o local ajudado por agentes de polícia? Será que que assim como fizeram com o seu procedimento vão mandar arquivar e depois vão instaurar inquérito? Toda a vizinhança filmou e registrou em fotos, mesmo assim, alguns órgãos de imprensa veiculam que a culpa foi do falecido e que o tal doutor estava certo… como diria o xavier logo acima: “esses são os delegados do anchieta…”

  2. Na verdade, meu caro Juliano Rodrigues Souza, não divulgar nada a respeito desse trágico acidente foi uma decisão pessoal minha. Esse delegado não é, nunca foi e pelo jeito jamais será meu amigo. Conforme disse no Face, não divulguei nada porque não sou igual a eles, que gostam de tripudiar em cima da desgraça alheia.

    Grade abraço!!

  3. Eu sabia que tinha alguma coisa por traz dessa informação.
    Peixe grande esta envolvido.o envolvimento de um delegado de Polícia Civil no caso do assalto à residência da então candidata a vereadora, Nira Mota (PV), ocorrido na véspera da eleição do ano passado.Esses agentes que foram presos são herois para sociedade de RR

  4. PARABENS PELA MATERIA.

    Os 5 Policiais acusados de extorsão investigavam envolvimento de delegado em assalto milionário em RR

  5. O que eu não entendo, é que todo mundo sabe que a prisão dos policiais civis só se deu porque eles estavam investigando um delegado, delegado esse que a população inteira de Boa Vista, além do próprio MP e tb o judiciário sabem que sempre foi envolvido com denuncias de corrupção, homicídios e tudo mais. Más mesmo assim, os promotores e a corregedoria seguindo o depoimento de um traficante amigo do tal delegado insistiram na prisão dos policiais e mesmo assim eles continuam presos. ISSO É MUITO ESTRANHO!!!!

  6. Prender policiais baseado nas declarações de um traficante amigo de um delegado acusado dos mais variados crimes é no mínimo estranho. E o MP envolvido nisso é mais estranho ainda…KD o CNMP?

  7. Excelente materia Policial!! realmente é muito estranho BOUER!! Meu Nobre amigo “A corda só quebra para o lado mas fraco”. Esses corajosos agentes da PCRR, eram para ser promovidos, e reconhecido pelo merito do trabalho!! de ter descoberto um Câncer, ou seja, tal Delegado que todos do meio da segurança publica sabe ti quem se trata. Delegados e corregedoria é para proteger seus policias e capacita-los para uma Policia Cidadã, mais o que ocorre que tem muito delegado ai protegendo bandido, então afirmo de maneira reflexiva é que os 5 policias civis, que concerteza são pais de familia.
    “trabalharam DEMAIS e descubriram DEMAIS”
    e FONTES monstram que o Laudo de exame corpo delito, do denunciante, foi negativo “nada consta” kkk será que o IML também é ??????? essas prissões foram preventivas??
    Por que a corregedoria divulgou fotos dos seus Policias na mídia local?? afinal eles não foram condenados e nem tiveram ainda o direito de defender-se!
    Corregedor se eles comprovarem as suas inocencia!! será que o senhor irá se responsabilidade pela tamanha crueldade cometida para com a Familia de cada um deles. manchando seus nomes.

  8. É bradock!! como vc disse “só faltava essa”!!!

    Por que a corregedoria não investigou os Delegados.?????
    Por que o Exame de “corpo delito” do denuciante dos 5 agentes da PCRR, foi negativo.?????
    Por que em menos de 10 dias, saiu a Prissão dos 5 agentes, tempo recoste…
    Porquê? Porquê? serão muitos os porquês!!!
    Vá comer seu acarajé senhor Bradock na Bahia!!
    Por quê aqui irá fica cinco Policia, para:
    “paga o Pato!! que não irão comer” kkkkk
    Mais “DEUS É FIEL”

DEIXE UMA RESPOSTA