SELETIVO NA EDUCAÇÃO – Mecias pede que Governadora só autorize seletivos quando pendências com terceirizadas forem resolvidas

Mecias de Jesus: “Se a atual gestão entende que a modalidade de processos seletivos é melhor, vamos compreender e apoiar. Mas isso só poderia ocorrer depois de finalizar o processo em andamento” / Foto: Ascom/Parlamentar /

Diante do anúncio de que a Secretaria de Educação iniciou um Processo Seletivo, o deputado estadual Mecias de Jesus tomou a iniciativa de alertar a governadora Suely Campos sobre as incoerências de se realizar esses certames, uma vez que existe um débito milionário com dezenas de empresas terceirizadas que por sua vez estão devendo até seis meses de salários para cerca de cinco mil trabalhadores.

“Sou completamente a favor da realização de concursos públicos e – paliativamente – dos processos seletivos, mas reitero que seria uma crueldade com dezenas de empresários que – em função da situação financeira do Estado – possuem milhões em créditos a receber e igualmente com milhares de trabalhadores que tem cumprido com seus contratos de trabalho, mesmo estando sem receber”, afirma.

Ele ressalta que é aliado da governadora e por essa razão se sente ainda mais compelido a fazer o alerta para que ela possa intervir e somente autorizar a realização dos processos seletivos quando o outro processo de contratação de trabalhadores seja finalizado.

E enfatiza que a boa relação entre um governante e sua bancada é saudável quando há espaços para as intervenções que nem sempre se resumem a aplausos, mas sim buscando uma convivência onde cabe esse tipo de sugestão.

“Se a atual gestão entende que a modalidade de processos seletivos é melhor, vamos compreender e apoiar. Mas isso só poderia ocorrer depois de finalizar o processo em andamento, que são através das terceirizadas, isso é o que reza a boa-fé da gestão pública. O contrário disto é esperar o caos para dezenas de empresas que já enfrentam dificuldades e para cerca de cinco mil trabalhadores, só no caso da Educação”, finaliza.

DA REDAÇÃO